Bem-vindo!

Blog Damásio

Compartilhar

Cinco dicas para o advogado iniciante

Após muito estudo e dedicação, finalmente, chega a hora de arregaçar as mangas, abrir o vade mecum e começar a advogar. Nesse momento, inúmeras dúvidas começam a surgir: Em que área atuar? Montar ou não um escritório? Como obter clientes?

É preciso ter calma para saber definir o real propósito. Para te ajudar nessa jornada, apresento cinco dicas básicas para o bom começo de carreira profissional.

 

1 –Estudo constante: foco no desenvolvimento

A sociedade moderna evolui cada vez mais rápido e, com ela, faz-se necessário que o ordenamento jurídico acompanhe essas mudanças.

Por tal razão, o exercício da boa advocacia demanda estudo e atualização constante pelos livros tradicionais, jurisprudência, língua portuguesa e informática, mas também por meio do aprofundamento em outras áreas, como, por exemplo, a Contabilidade, Biologia, Engenharia, Medicina, a depender da área de atuação.

E um detalhe: os estudos serão diferentes daqueles realizados na época da universidade, pois as soluções refletem na vida e no patrimônio do cliente.

 

2 – Gestão e planejamento

O exercício da advocacia exige o desenvolvimento de uma metodologia, norteada por planejamento, definição de metas de curto e longo prazo, gestão financeira, publicidade e, ainda, prospeção de novos clientes.

O novo advogado precisa considerar o modo de atuação (unipessoal ou em sociedade), a carga tributária incidente, o custo operacional, e a abordagem de atuais e novos clientes. Certo é que apenas aguardar a ligação de um cliente não funciona mais.

 

3 –Fixação de honorários advocatícios

Esse é um tema polêmico na advocacia.

Dentre outros fatores, deve-se levar em consideração a complexidade da causa, o proveito econômico possível, bem como os custos operacionais inerentes ao desenvolvimento do serviço a ser prestado.

Existem tabelas elaboradas pelas Seccionais da OAB que trazem valores mínimos para a atuação dos advogados. Somente com a análise de tais elementos é possível apresentar uma proposta ao cliente que não desvalorize a profissão. Por fim, não esqueça de elaborar um contrato de honorários!

 

4 – Publicidade – Uma arma poderosa

 O advogado precisa conhecer as técnicas para fortalecer seu nome ou da sociedade. Além das indicações de clientes, é preciso conhecer as ferramentas digitais, marketing de conteúdo. Não há mais espaço para abordagens que visam apenas enaltecer o advogado. O mais importante é apresentar informações e soluções aos atuais e futuros clientes, mediante abordagem objetiva, sensata e de fácil compreensão.

 

5 –Valorização e respeito ao cliente

A relação entre advogado e cliente deve ser pautada na confiança, transparência e respeito. O cliente precisa confiar no advogado para que a melhor solução seja aplicada. Já o profissional, dentro dos limites do bom senso, deve ouvir e compreender a situação jurídica do cliente, atendê-lo de forma cordial, responder ligações e mensagens. Deve-se atender como gostaria de ser atendido, pois um cliente perdido por mau relacionamento dificilmente é recuperado. Vale lembrar que não existe causa ganha, pois o processo é resultado das ações de partes e julgador, ou seja, é arriscado esse tipo de promessa.

Enfim, as dicas resumem um pouco daquilo que a experiência nos fez aprender. Caso seu sonho seja advogar, não espere a melhor a oportunidade, o melhor caso, organize-se e inicie seu caminho rumo ao sucesso.

 

Caso queira saber mais, o Damásio oferece o curso “Advocacia Cível: oportunidades, gestão legal, marketing e prática jurídica”. Clique aqui.

 

Professor Paulo Peixoto

Professor de Direito Constitucional e Direitos Humanos do Damásio Educacional.
Mestre em Direito Político e Econômico.  Advogado e consultor jurídico.

Gostaria de saber mais sobre nossos cursos?

Li e Aceito a Política de Privacidade